Saturday, March 31, 2012

DÉLIO & DELINHA

Prenda Querida (1962)



Délio (José Pompeu) e Delinha (Delanira Gonçalves), dupla sertaneja de cantores e compositores do Brasil, nasceram na cidade de Maracaju, no então Estado de Mato Grosso, hoje Mato Grosso do Sul. Primos e também marido e mulher, iniciaram a carreira artística profissional na década de 1950, na mesma época em que haviam se casado. Cantando, de início, em festas e programas de auditório, foram conquistando uma rápida e merecida popularidade, que incentivou o casal a seguir em frente com maiores desafios.
A dupla cantou a música típica e de raíz de Mato Grosso do Sul, por Estados como São Paulo, Rio de Janeiro, entre outros, fazendo com que o nosso Estado ficasse conhecido no Brasil. Eles cantavam ritmos como o Maxixe Mato-Grossense, Cana Verde, Arrasta-Pé, e principalmente, o Rasqueado. Os dois artistas foram um dos primeiros a divulgar a música do nosso Estado para o Brasil todo.
Pouco tempo depois de se casarem, Délio e Delinha mudaram do interior Mato Grosso do Sul (na época, Maracaju-MS ainda pertencia ao Estado do Mato Grosso) para capital Paulista, onde atuaram nas Rádios "Bandeirantes" e "Nove de Julho". Delinha tinha apenas 19 anos de idade, na época.
A mudança para São Paulo-SP foi incentivada pelo compositor Sul Matogrossense Zacarias Mouro e, além de atuarem nas duas emissoras de rádio já mencionadas, a dupla assinou contrato com a gravadora Califórnia, na qual "O Casal de Onças de Mato Grosso" gravou no dia 26/03/1959 o primeiro Disco 78 RPM (TC-1.045), tendo no Lado A o Rasqueado "Malvada" (Delinha/Délio) e no Lado B o Rasqueado "Cidades Irmãs" (Délio/Delinha).
Em 1960 gravaram, também de autoria da dupla, o rasqueado "Prenda Querida" e a guarânia "Meu cigarro".
Gravaram também no mesmo ano, entre outras composições, o rasqueado "Querendo Você", em parceria com Biguá, radialista e compositor.
A dupla estava empenhada em gravar ritmos considerados de raíz, como o Rasqueado e a Cana-Verde, entre outros. Ainda em 1961 gravaram, de autoria da dupla, a Cana-Verde "Louvor a São João" e o arrasta-pé "Triste Verdade".
Délio e Delinha também participaram da gravação da trilha sonora do primeiro filme estrelado pela inesquecível dupla Tonico e Tinoco: "Lá No Meu Sertão" de Eduardo Llorente, em 1961.
Em 1962 gravaram, também de autoria da dupla, o Rasqueado "Coisinha Querida".
Em 1963 gravaram, entre outras composições, o Maxixe "Mundo de Ilusão" e a Cana-Verde "Triste Adeus", ambas de autoria da dupla.
Em 1964, também de autoria da dupla, gravaram o Rasqueado "Lembrando Mato Grosso" e o Maxixe "Esperança Perdida".
Apesar da dupla ter se realizado artisticamente na Capital Paulista, a saudade foi muito maior e Délio e Delinha decidiram retornar ao querido Estado do Mato Grosso, ainda na década de 1960. Ocorreu também o divórcio após 25 anos de casamento.
A dupla porém chegou a se reunir novamente em 1978, ocasião na qual lançou o disco independente "O Sol e a Lua".
Em 1993, influenciados por antigos admiradores, somados a uma numerosa geração jovem, que veio aos poucos descobrindo seu belíssimo repertório, a dupla reapareceu em algumas apresentações públicas.
Em Dezembro de 2007 foi lançado o CD e o DVD comemorando os 50 anos de carreira da dupla Délio e Delinha no Clube União Beneficente dos Sub-Tenentes e Sargentos das Forças Armadas, em Campo Grande-MS, DVD esse que foi gravado no mesmo local, no dia 02/06/2007, e que contou com a participao de Maciel Corra e Zézinho Nantes.
O DVD apresenta diversas músicas que marcaram a trajetória da dupla, intercaladas com imagens de arquivo, fotos e depoimentos de amigos, músicos e profissionais de Emissoras de Rádio que sempre acompanharam a carreira do casal.
Em linguagem agradável e poética, contada a trajetória de Délio e Delinha e seu repertório, cujas letras retratam amores impossíveis, sentimentos nativos e sofrimentos apaixonados. Composições musicais que permanecem na memória dos que conhecem (mesmo que tardiamente) os sucessos de Délio e Delinha.
Esse trabalho resultou do empenho do repórter cinematográfico José Eduardo Moraes (o Zédu), e também de João Paulo, filho de Délio e Delinha. De início, eles foram em busca de financiamento do FIC (Fundo de Investimentos Culturais) do Governo anterior, no entanto, no conseguiram o recurso.
Resolveram então ir em busca de recursos junto iniciativa privada em Campo Grande-MS. Os recursos levantados, no entanto, foram muito aquém do que se necessitava, em relação aos custos da gravação, levando-se também em conta a importância da dupla Délio e Delinha para a Cultura Sul-Mato-Grossense.
Mesmo assim, o Projeto foi levado adiante e foi gravado o importante DVD, prestando justa homenagem dupla Délio e Delinha, proporcionando também à nova geração de apreciadores o contato com o trabalho da dupla, que não pode ser jamais esquecida.
Morreu no dia 08/02/2010, aos 84 anos de idade, o cantor Délio. O velório foi realizado na Câmara Municipal de Campo Grande. O cantor faleceu por volta das 17:30 h, no Hospital do Câncer Alfredo Abraão, em Campo Grande (MS), vítima de um câncer de pulmão. O sepultamento foi realizado no Cemitério Jardim da Paz, saída para Sidrolândia.
Délio morava com a segunda esposa, Olanda Roque, e com quem estava casado há 30 anos.
Prenda Querida

01. Malvada (Délio/Delinha) • 2:52
02. Não Me Pergunte Nada (Mário Vieira) • 2:52
03. Querendo Você (Délio/Delinha/Biguá) • 3:01
04. Eu E O Sabiá (Délio/Delinha) • 2:45
05. Carta Sem Destino (Délio/Delinha/Claude Alves) • 2:28
06. Triste Verdade (Délio/Delinha) • 3:11
07. Prenda Querida (Délio/Delinha) • 2:20
08. Já Fui Boêmio (Délio/Delinha) • 2:44
09. Coração Sertanejo (Délio/Delinha) • 2:23
10. Verbo Amar (Délio/Delinha) • 2:42
11. Transmissor Da Saudade (Délio/Delinha/Biguá) • 2:52
12. Receita De Amor (Délio/Delinha) • 2:20

Saturday, March 24, 2012

AMAMBAY CARDOZO OCAMPO

Recuerdos Musicales Del Paraguay (1978)


Amambay Cardozo Ocampo (14/08/1945 - 06/04/1997), nasceu em Buenos Aires, Argentina, filha do compositor e poeta Mauricio Cardozo Ocampo e Fidelina Fleitas Guerrero.  Cresceu no ambiente musical e, naturalmente optou por tornar-se intérprete.  Filha de pais paraguaios, estudou canto em Buenos Aires e Assunção por mais de 20 anos.  Apresentou-se pela América Latina e gravou 6 LP's.
Para maiores informações, por favor visite o Portal Guarany.

Recuerdos Musicales Del Paraguay
Este foi um dos primeiros discos que passei para CD, emprestado de um amigo que havia conhecido Amambay pessoalmente, quando viveu no Paraguay.

01. Recuerdos De Ypacaraí (Demetrio Ortíz/Zulema de Mirkins) • 3:57
02. Cambá La Mercé (Hipólito Sánchez Quell/Mauricio Cardozo Ocampo) • 3:20
03. Anahí (Osvaldo Sosa Cordero) • 4:03
04. Canto A Itacurubí (Antonio Ortíz Mayans/Mauricio Cardozo Ocampo) • 3:08
05. Pajaro Chovy (Pitagua) • 2:23
06. Galopera (Mauricio Cardozo Ocampo) • 2:47
07. Pot Pourri • 4:50
       Asunción (Federico Riera)
       Noches Del Paraguay (Samuel Aguayo/J. P. Carlés)
       Canto Al Paraguay (E. Altinier/De Los Rios/Mauricio Cardozo Ocampo)
08. San Baltazar (Hipólito Sanchéz Quell/Mauricio Cardozo Ocampo) • 2:52
09. Alma Vibrante (Carlos M. Giménez/Agustín Barboza) • 4:20
10. India (José Asunción Flores/Manuel Ortíz Guerrero) • 4:12
11. Mombyry Guivé (Ina R. de Ramos Giménez/Mauricio Cardozo Ocampo) • 3:37

PREFÁCIO

Antes haviam os Índios nativos das Américas, com suas músicas religiosas e ritualísticas.  Depois chegaram os colonizadores Europeus e em sua bagagem trouxeram a música dos grandes centros e palácios da época.  Então eles resolveram trazer os Africanos, que por sua vez, também trouxeram seus rituais e costumes para o Novo Mundo.  Durante esses poucos séculos desde o descobrimento, a miscigenação das raças, culturas e costumes, somados à herança trazida por outros povos que por aqui resolveram ficar, influenciou de maneira irremediável a música produzida no continente, tornando-o em uma fábrica de sons, rítimos e harmonias fantásticas, que se encontram em constante evolução, com características próprias de cada um dos países que compõem este continente.
Este blog é dedicado à música Latino-Americana e, dentro das minhas possibilidades, tentarei postar, com alguma regularidade, uma parte dessa cultura musical, que apesar de relativamente nova, está profundamente enraizada na alma de nosso povo.